29 de abril de 2017

Dinâmica: O Tempo e eu! - Lição 08: O Discípulo e a Mordomia Cristã: Discipulado – 2º. Ciclo; Novos convertidos


Clique nos links abaixo
Noticias.Com
Escola Bíblica Dominical
Últimos acontecimentos - Bíblicos
REFLITA NESTAS PALAVRAS
Devocional Diário
BÍBLIA ONLINE



Professoras e professores, observem estas orientações:
1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 – Agora, vocês iniciam o estudo do tema.
Professoras e professores, iniciem a aula cumprimentando os alunos, perguntem como passaram a semana. Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
Se houver alunos ausentes, é interessante que vocês mantenham contato com eles, através de telefone ou email.
- Falem do tema da aula: O Discípulo e a Mordomia Cristã.
- Perguntem: Qual a função principal de um mordomo? Em quais áreas ele atua? Aguardem as respostas.
Nós somos mordomos? De quem? Do quê?
- Trabalhem as áreas da Mordomia Cristã.
- Utilizem a dinâmica “O Tempo e Eu”, que proporcionará a oportunidade de refletir sobre a mordomia do tempo.
- Para concluir a aula, leiam o texto “A Navalha”, que possibilitará a reflexão sobre a mordomia dos talentos.
Tenham uma excelente e produtiva aula!


Dinâmica: O Tempo e eu!

Objetivos:
Refletir sobre a mordomia do tempo.
Enfatizar a importância do tempo destinado a leitura e estudo da Bíblia, a oração e comunhão com Deus.
Material:
01 desenho de relógio grande
01 borracha e lápis grafite para cada aluno.
Procedimento:
- Perguntem: Como estamos organizando o nosso tempo?
- Entreguem para cada aluno uma figura de um relógio para que escreva entre os intervalos das horas as atividades que executa por dia.
- Perguntem:
Quais as ações que demandam mais tempo?
Quais as ações são prioritárias?
Quanto tempo para o serviço do Reino de Deus?
Qual foi tempo destinado para a leitura e estudo da Palavra de Deus?
E para a oração?
E para os cultos?
- Leiam:
“Tudo tem seu tempo determinado e há tempo para todo o propósito debaixo do céu”. Pv 3.1
- Falem: Temos muitas ocupações, mas precisamos reservar um tempo de qualidade para buscar ao Senhor. O que precisamos modificar no nosso relógio?
- Entreguem a borracha e o lápis grafite e solicitem para que reorganizem o tempo destinado a leitura bíblica, oração, aos cultos e para o serviço no Reino.
- Para finalizar, leiam:
“Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos corações sábios”. Sl 90.12
Por Sulamita Macedo.


Texto de Reflexão: A Navalha

Era uma vez uma navalha de excelente qualidade, que morava numa barbearia. Um dia em que a loja estava vazia, ela resolveu dar uma voltinha. Soltou-se do cabo e saiu para apreciar o lindo dia de primavera.
Quando a navalha viu o reflexo do sol em si mesma, ficou surpresa e encantada. A lâmina de aço lançava uma luz tão brilhante que, subitamente, com excessivo orgulho, a navalha disse a si mesma:

E eu vou voltar para aquela loja de onde acabei de fugir? É claro que não! Os deuses não podem querer que uma beleza tal como a minha seja desonrada dessa maneira. Seria loucura ficar aqui cortando as barbas ensaboadas daqueles camponeses, repetindo sem cessar a mesma tarefa mecânica! Será que minha beleza foi realmente feita para um trabalho desses? Certamente não! Vou esconder-me num local secreto e passar o resto da vida em paz.
E em seguida foi procurar um esconderijo onde ninguém a encontrasse.
Passaram-se os meses. Um dia a navalha teve vontade de respirar ar fresco. Saiu cautelosamente de seu refúgio e olhou para si mesma. Mas o que tinha acontecido? A lâmina estava enferrujada e não refletia mais a luz do sol.
A navalha ficou muito arrependida pelo que havia feito e lamentou amargamente a irreparável perda, dizendo:

- Como teria sido melhor se eu tivesse conservado em forma a minha linda lâmina, cortando barbas ensaboadas! Minha superfície teria permanecido brilhante e muna barba afiada! Agora aqui estou eu toda corroída e coberta pela ferrugem! E não há nada a fazer! 

Autoria desconhecida.
Fonte: Nosso Pão Diário: atitudedeaprendiz.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário